Especialista fala sobre os mitos sobre o sexo e o porquê de ainda ser um tabu

Conteúdo comercial publicado por Gfama e não é de responsabilidade do site.

Com um dos piores índices da América Latina sobre educação sexual, Simone Sacramento crê que falta ao Brasil mais iniciativa dos pais e escola.

 

Um dos grandes problemas da nossa sociedade é a dificuldade em discutir temas essenciais que poderiam ajudar no desenvolvimento e conscientização da população. Vimos isso na pandemia, quando informações desencontradas se tornaram peças chaves para o aumento da propagação da doença.

Mas além da política, economia e alguns outros temas sanitários que as pessoas têm pouco acesso aos especialistas, algo que é, de fato, um grande tabu, é quando falamos sobre sexo. O que poderia ser conversado e debatido tranquilamente entre familiares, amigos e especialistas, acaba se tornando algo constrangedor e até bem distante do que seria educativo. De acordo com Simone Sacramento, que é especialista em sexualidade, tocar no tema ainda é delicado para muita gente por conta dos mitos e preconceitos, mas a orientação se torna mais que necessária.

“Falar de sexo ainda é tabu. Deixar de tocar no assunto, no entanto, só faz com que surjam ainda mais dúvidas, medos e preconceitos. Além de aumentar a susceptibilidade a doenças sexualmente transmissíveis, na minha página quero fazer em relação à sexualidade na vida dos  jovens e adultos, orientando com dicas e ideias para maior entendimento da sexualidade. Decidir após uma pesquisa a mais sobre assunto, já que sou formada em sexualidade”, disse ela.

 

 

Foto/Reprodução: Simone Sacramento

 

Instagram: https://www.instagram.com/simonesacramento_oficial/

Basta falar para que alguns dêem risada; outros ficam tímidos e logo fogem da temática. De acordo com dados da Federação Internacional de Planejamento Familiar, o Brasil é o país com um dos piores índices de educação sexual na América Latina. O grande problema é quando os mais jovens, que ainda estão ingressando neste novo mundo, acabam tendo poucas informações por conta da “censura” por parte dos pais, escola e também instituições religiosas que muitos frequentam.

Segundo Simone, todo o processo de orientação sexual é afetado desde a infância, quando os pais se negam a falar sobre algumas funções do corpo e não há uma orientação aos adolescentes.

“A sociedade é marcada por sofrer mudanças constantes em relação ao pensamento e posturas. Questões que antes eram consideradas como verdades absolutas, passaram a ser mais debatidas. A primeira coisa é que poucas escolas têm opção de educação sexual e, com isso, aumenta o medo por uma vida sexual. Além disso, a maioria dos pais foram educados a não falar sobre isso com crianças. Algo muito errado, pois devemos falar das funções de seu corpo. Podemos entender a adolescência como uma fase de indefinição, de transição e, ainda, um período passível de conflitos e crises. Porém, é um período de busca de liberdade”, explicou Simone.

Instagram “Dr da Sexualidade”: https://www.instagram.com/drdasexualidade/

Com uma página inteiramente dedicada ao assunto, Simone Sacramento passa dicas e conselhos muito importantes para jovens e adultos conseguirem desenvolver uma vida sexual mais saudável. Para ajudar as pessoas a se orientarem melhor, Simone respondeu algumas perguntas que são sempre lançadas em seu perfil e que são pontos de dúvidas. Confira!

 

  • Como eu, mulher, devo me masturbar ?

A masturbação é uma coisa muito particular. Você deve estimular o clitóris até chegar no ponto de sentir o prazer. Cada corpo tem suas necessidades;

  • É possível engravidar na primeira relação sexual?

Óbvio que se pode engravidar desde a primeira relação! Por isso, é preciso se proteger desde o primeiro encontro sexual;

  • Gravidez na adolescência é considerada de risco?

Os cuidados para não engravidar na adolescência são fundamentais. Muitas vezes, os órgãos reprodutores não estão maduros, podendo ocasionar partos prematuros ou abortos. Então é algo muito cuidadoso;

  • Com que idade pode-se começar a tomar anticoncepcional?

As pílulas anticoncepcionais não devem ser tomadas antes de se completar dois anos da primeira menstruação.

Compartilhe esta matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest