João Beck revela similaridades entre o desporto e o mercado financeiro

Conteúdo comercial publicado por Gfama e não é de responsabilidade do site.

João Beck fez renome no mercado financeiro. Com mais de 10 anos de experiência em uma carreira de sucesso, onde passou pelos principais bancos e corretoras do país, o investidor sempre teve uma rotina muito puxada. E para aliviar todo o estresse inerente à profissão e recarregar as energias, encontrou na prática desportiva uma forte aliada.

 

A história de sua paixão pela vela começou em 2016, quando fez a primeira travessia Rio – Ilha Bela, “Não tinha nenhuma razão para começar no esporte, a não ser a emoção. Como apaixonado por adrenalina, encontrei muitos prazer no mar. Dessa forma eu consegui não apenas relaxar mas também recarregar as energias para lidar diariamente com o competitivo mundo do mercado de investimentos e finanças.”

 

A bordo do seu veleiro, Surreal, João passou por diversas situações de tempestades e adversidades. No entanto, ele revela que na maioria das vezes encontra a paz. “A maioria dos dias foi de céu de brigadeiro e mar de almirante, e isso eu sempre levo comigo. Toda essa paz que encontro no mar, trago para a terra e para os meus negócios.”

 

Além da vela, João também praticou vários outros esportes aquáticos. “Da água amo tudo! Só não joguei polo aquático, mas pratico natação, wakeboard, windsurf e esqui aquático.”

 

 

Esportes aquáticos e o mercado financeiro

O investidor aponta que existe uma curva de aprendizado no que diz respeito aos esportes aquáticos, assim como ocorre no mercado financeiro, principalmente no mercado de ações. “Por isso recomendo aos iniciantes que quando iniciarem a prática de vela, sempre saiam com algum profissional experiente junto. É preciso entender a importância de você ter um profissional orientando, contando experiências e situações diversas que ele já passou no mar, assim como eu busco passar a minha experiência de mercado para os clientes em bolsa. Faz parte da curva de aprendizado de cada um. Hoje, após 4 anos saindo com profissionais, já me sinto preparado para sair sozinho rumo ao mar. Esse ano concluí algumas saídas sozinho, mas sempre fico atento às condições climáticas e prezo por toda segurança necessária, assumindo riscos controlados, assim como no mercado financeiro.”

 

 

Segredos do mar

Segundo João Beck, a paciência é uma virtude muito importante para quem deseja velejar, assim como no mercado financeiro. “Existe muita coisa em comum entre os mundos do esporte e do mercado. Para se chegar em um determinado lugar, muitas vezes o caminho não é uma reta, assim como no mercado ocorrem os zigue-zagues, no barco a vela quando nosso destino está contra o vento, velejamos em zigue-zague (a 45 graus), o que significa mudar a direção de forma constante para se chegar no destino final.

O velejador também aponta que um dos segredos do mar é que ele fortalece a humanidade em cada um. “A melhor parte de velejar é o lado humano. Velejar é a descoberta de si próprio e do próximo, através da experiência compartilhada de singrar águas cristalinas e admirar as exuberantes paisagens e a vida marinha. A amizade de um dia a bordo é mais forte do que a de meses desembarcados”, avalia.

 

 

Sonho à vista

João Beck conta que tem um sonho e um grande objetivo com o esporte a vela. “Meu sonho é poder dar a volta ao mundo velejando. Estou batalhando para aprender o máximo que posso para um dia enfrentar os meus próprios medos. O fato de velejar não significa que não tenho medo do mar ou não o respeito. Por isso, a cada dia supero os meus medos para um dia poder ser capaz de realizar o meu sonho.”

 

Compartilhe esta matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest